Alerta:O seu browserB.N.I. - Browser Não Identificado não é o mais indicado para ver este site porque não suporta Javascript.Active o javascript ou actualize-o por favor!

Adicionar aos Favoritos
Página Inicial | Turismo | Alto Douro Vinhateiro - Património Mundial da UNESCO
«O Alto Douro Vinhateiro é uma zona particularmente representativa da paisagem que caracteriza a vasta Região Demarcada do Douro, a mais antiga região vitícola regulamentada do mundo. A paisagem cultural do Alto Douro combina a natureza monumental do vale do rio Douro, feito de encostas íngremes e solos pobres e acidentados, com a acção ancestral e contínua do Homem, adaptando o espaço às necessidades agrícolas de tipo mediterrâneo que a região suporta.»
Instituto Português do Património Arquitectónico

Admite-se que a vinha tenha chegado ao território actualmente português por volta de 500 a. C., anteriormente à romanização da Península Ibérica. Os fenícios terão penetrado nos rios Guadiana e Sado e atingido o estuário do Tejo em 600 a.C., pelo que não será abusivo aceitar terem sido eles quem proporcionou o primeiro contacto com o vinho aos povos que aí habitavam. 
A cultura da vinha foi alvo de um grande incremento na península Ibérica durante o domínio romano, o que levou o imperador Domiciano (séc. I a. C.) a ordenar o arranque de metade dos vinhedos existentes, como forma de protecção aos vinhos de Roma. 
Suevos, Visigodos e Muçulmanos ocuparam sucessivamente a Península após os Romanos. A vinha perpassa por todos estes reinados e atinge com alguma importância económica no dealbar da nossa nacionalidade.

A importância da cultura do vinho no início da nossa nacionalidade (1143) era acentuada na região e evidenciou-se esta certeza através dos inúmeros forais concedidos no decorrer dos tempos a várias vilas situadas nas margens do rio Douro, onde é referida a obrigatoriedade dos habitantes pagarem uma contribuição em vinho.

A partir do século XIV há notícias seguras da exportação de vinho. D. Fernando (1367) obtém as principais receitas para os cofres do Estado através dos impostos sobre a sua exportação. Dada a fama do vinho português, as exportações começaram a surgir e a serem muito importantes para a época. Eram feitas principalmente para França.

Os ingleses têm um papel preponderante no nosso comércio de vinhos a partir do século XVI, exportando de Caminha. No século seguinte, instalam-se no Porto para exportarem através da barra do Douro os vinhos de Lamego, de Riba Douro e de Cima Douro como eram então designados os vinhos oriundos do Douro. Em 1675, Ribeiro de Macedo refere-se a vinhos com denominação de Vinho do Porto e passados 3 anos há registo alfandegário da primeira exportação desse vinho pela barra do Douro.

A Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, surge em 1756, justificada pela concorrência na Inglaterra dos vinhos de outras regiões portuguesas, pelo desenvolvimento do comércio vinícola com as colónias (Brasil em especial), o que estimulava intensamente a cultura da vinha na metrópole, pela crise de produção de 1750-1755, pela preocupação de arrancar os vinhos do Douro ao controle dos mercadores ingleses e pela defesa da integridade dos seus dotes como bebida.
« […] Têm concordado entre si formarem uma Companhia, que sustentando competentemente a cultura das vinhas conserve ao mesmo tempo as produções delas na sua pureza natural.»

Eram objectivos da Companhia a definição de limites de uma região vitícola (Região Demarcada), a realização de um cadastro e a classificação das parcelas e dos respectivos vinhos (vinho de feitoria e vinho de ramo) e a criação de mecanismos institucionais de controlo e certificação, apoiados num vasto edifício legislativo.
Foi feito um desenho da região onde foram assinalados os limites das zonas autorizadas a produzir vinho de feitoria (o de melhor qualidade que servia para exportação). Estava desta forma demarcada a primeira região vitícola do Mundo. Muitos países, nomeadamente do centro da Europa, reclamam a existência de zonas perfeitamente identificadas como sendo produtoras de vinhos com características especiais. A reclamação poderá ser justa, mas a primeira demarcação, que incluía uma classificação das parcelas de vinha e uma hierarquização dos vinhos produzidos foi feita, de facto, no Douro.

O oídio, a filoxera e o míldio, deram origem a uma completa reorganização fundiária no Douro. O facto de a filoxera ter destruído os vinhedos franceses antes dos portugueses fez com que os nossos vinhos (os do Douro e de outras regiões do país) não tivessem dificuldades em encontrar comprador. Tanta gente a querer comprar e o vinho de qualidade a rarear teve como consequência a adulteração do produto, a mistura de vinhos do Sul vendidos como vinhos do Porto, a utilização de álcool em vez de aguardente. Ao chegar aos finais do século XIX, as exportações estão a níveis elevadíssimos, aproximando-se das 100 mil pipas.

As grandes mudanças vão dar-se a nível social e na relação entre os grupos sociais e a terra. É que, a partir da filoxera e do enorme abandono que se vai verificar em seguida, tornou-se claro que havia novos grupos com poder económico para fazerem investimentos no Douro. Várias quintas mudam então de mão, há novas plantações a serem feitas e há novos interesses no Douro. Muitas firmas anteriormente ligadas à exportação começam a investir em propriedades no Douro e a burguesia portuense começa a interessar-se pelas vinhas durienses.
A própria região alarga-se: com a navegabilidade do Douro até à fronteira e com a chegada do caminho-de-ferro até ao Douro Superior, esta zona passa, por direito próprio, a ser produtora de vinhos cada vez mais reconhecidos.
O uso do bacelo americano implica também uma reformulação das técnicas de plantio da vinha e, desta forma, toda a paisagem sai renovada da crise. O efeito destas pragas fez-se também sentir ao nível das práticas culturais. A partir de então tornaram-se obrigatórios os tratamentos contra o míldio e o oídio, o que se mantém até hoje, e a necessidade de usar um bacelo obrigou, desde então, a que a enxertia fosse prática corrente, o que também acabou por implicar alguma selecção das castas a enxertar.

Os efeitos da crise filoxérica, agravados pelas falsificações e pelas dificuldades comerciais, conduzirão ao regresso ao proteccionismo. Logo em 1886, o governo retomava medidas de protecção da qualidade da marca, decretando o controlo dos stocks e das exportações de vinho do Porto, mas os negociantes reagiram, defendendo que lhes cabia o direito de definir os tipos de Porto de acordo com as indicações do mercado. Os lavradores do Douro, por seu turno, opondo-se aos interesses dos negociantes exportadores do Porto e dos viticultores de outras regiões, em especial do Sul, reivindicavam a exclusividade da marca Porto para os vinhos do Alto Douro, a restauração do exclusivo de exportação pela barra do Douro e uma nova demarcação.

Ao longo do século XIX, reforçara-se o domínio do sector comercial sobre o sector agrícola, acentuando-se a dependência da região do Douro face ao Porto. Tal situação de dependência justificava a posição do comércio exportador de requerer o exclusivo da denominação Porto para os vinhos fabricados em Gaia. Num documento de 1906, a Associação Comercial do Porto considerava que a posse e o direito de uso da denominação «Porto» cabiam «exclusivamente» à «indústria vinícola que se exerce em Vila Nova de Gaia, e que espalha e valoriza o seu produto por intermédio do comércio e do porto desta cidade, sendo por isso e só por isso, - que se chama “vinho do Porto”», pertencendo à região duriense apenas a denominação dos vinhos correntes «Douro».

O sector do vinho do Porto conheceu, nos últimos vinte anos, mudanças significativas. Surgiram novas formas de organização da vinha. Na fase de prosperidade dos anos oitenta, verificou-se um novo movimento de expansão do vinhedo, com particular incidência no Cima Corgo e no Douro Superior. Modernizaram-se, onde foi possível, as práticas vitícolas e as técnicas de vinificação. A cultura enológica regional, pode dizer-se, passou da fase empírica à fase científica, para o que contribuiu a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

© 2017 Município de Sabrosa. Termos de Utilização powered by Glups
Edital Nº 20170720_3 | 20-07-2017
Aviso - Celebração de contrato por tempo indeterminado  [+]
Edital Nº 20170720_2 | 20-07-2017
Aviso - Celebração de contrato por tempo indeterminado  [+]
Edital Nº 20170720_1 | 20-07-2017
Aviso - Anulação do procedimento concursal para o preenchimento de dois postos de trabalho para a carreira e categoria de assistente técnico/coordenador técnico na área de Educação de Ação Social e Armazém, Oficinas e Equipamentos  [+]
Mais Avisos e Editais [+]
São Lourenço de Riba Pinhão
S. Lourenço de Ribapinhão fica a 8 km de Sabrosa e está situada na margem direita do Rio Pinhão. É constituída pelos lugares de Arcã, Delgada,... [+]
Conheça todas as freguesias [+]
Julho 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
            01
02 03 04 05 06 07 08
09 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Junho 2017 | Agosto 2017
22 Jul. | Cultura
ARTISTAS DA NOSSA TERRA | RUBEN FÉLIX [+]
22 Jul. | Cultura
A VIDA PASSA LÁ FORA [+]
23 Jul. | Eventos
FESTA DA MÚSICA POPULAR [+]
Ver Agenda [+]
11-07-2017 | EVENTUAIS
Município repara estragos causados pelo mau tempo  [+]
11-07-2017 | EVENTUAIS
VOLUNTARIADO JOVEM PARA AS FLORESTAS [+]
Mais Notícias [+]
Partida
Destino
Definir Percurso [+]
Mais fotografias [+]